Instrutores do SENAI de vários estados participam de treinamento em simuladores

Instrutores do SENAI de vários estados participam de treinamento em simuladores

Objetivando promover a inovação e o desenvolvimento de soluções tecnológicas integradas para a indústria, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de Rondônia (SENAI/RO) iniciou nesta segunda-feira (5 de março) capacitação de operadores de máquinas pesadas por meio de simuladores. O treinamento, realizado no laboratório de informática da Escola SENAI Marechal Rondon, está sendo ministrado por Eduardo Henrique Marcondes, da BIT9, empresa paulista que desenvolve kits didáticos, entre outros, o de simulador para treinamento em máquinas pesadas. De acordo com o instrutor o treinamento com duração de cinco dias, tem como publico alvo 23 professores de vários DRs do SENAI, como o Pará, Mato Grosso, Rondônia, Recife, Tocantins, entre outros, e que se tornarão multiplicadores destes conhecimentos para todo o Brasil.  Eduardo explica que durante esta semana será trabalhada a parte teórica. “Na quinta-feira (8) os participantes assistirão a uma apresentação sobre a parte prática, sobre as parcerias, como foram conseguidas as máquinas, pois geralmente não pertencem ao SENAI, mas das empresas parceiras como Odebrecht, Camargo Corrêa, entre outras. Então, nesta sexta-feira (9) eles terão a oportunidade de conhecer o canteiro local da Camargo Corrêa, Odebrecht onde está sendo construída a hidrelétrica Jirau”.  “Os simuladores são softwares que parecem vídeo games, sendo um jogo sério que requer conhecimento e habilidade”, ressalta Eduardo. “Com este software, o aluno faz o seu primeiro contato com a máquina, mas no computador. Desta forma ele faz a fixação do conhecimento e adquire a habilidade necessária, aprendendo as operações de forma geral. Assim conseguimos ministrar um curso mais rápido e eficiente. Com os simuladores reduzimos o tempo de máquina, economizando diesel e melhorando o rendimento. Outro imperativo é a questão da segurança, pois o aluno poderá cometer seus erros no simulador, e na prática ele fará tudo para não cometer esses erros”.  O instrutor afirma que “inicialmente trabalharemos como instalar e o funcionamento do simulador, pois assim os alunos terão a possibilidade de testar cada um dos simuladores. O treinamento contempla aprendizado em operação de Caminhão Basculante; operador de Caminhão Fora de Estrada; operador Especialista de Pá-Carregadeira; operador Especialista de Grua; atendimento em suporte a Operação de Caminhões Basculante e Fora de Estrada; atendimento em planejamento de obras com Pá-Carregadeira; em planejamento de obras com Grua; atendimento para Programação de manutenção preventiva de Caminhões Basculante e Fora de Estrada; para Programação de manutenção preventiva de Pá Carregadeira; Atendimento para Planejamento de operações integradas de Caminhões Basculantes, Pá-Carregadeira e Caminhões Fora de Estrada e Atendimento para Planejamento de operações de Grua.  Eduardo enfatizou que suas expectativas são as melhores e que está à disposição para sanar todas às dúvidas e com isso não apenas ensinar, mas aprender também, no que ele chama de troca de experiências. “Sanar dúvidas sobre como formatar o curso, como dosar teoria e prática, como montar a apostila, como conseguir as máquinas, como montar todo o curso, que são dúvidas comuns dos nossos alunos, que também são professores em suas respectivas unidades de origem.”.  Para o presidente do Sistema FIERO, Denis Baú a iniciativa do SENAI é importantíssima, pois o mercado vive um momento atípico, particularmente o segmento da Construção civil, na área de máquinas pesadas, que estão recebendo investimentos do Governo Federal, ou até mesmo as gigantescas obras das usinas Jirau e Santo Antonio, entre outras obras de grande porte. “Estes empreendimentos estão demandando mão de obra de operador de máquinas pesadas, sendo que estes profissionais não existem, mas o SENAI está mudando esta realidade trazendo pessoas experiências em montagem de programas de treinamento com o objetivo de capacitar mão de obra local, e desta forma atender as demandas”.  Já o diretor regional do SENAI, Vivaldo Matos Filho frisa que “assim não haverá a necessidade destas empresas trazerem profissionais de outros estados. O SENAI visa somar e agregar conhecimento a partir da capacitação destes trabalhadores rondonienses, desta forma contribuindo para a evolução da região e o fortalecimento da indústria”, finalizou.

Fonte: UNICOM - FIERO